9 de dezembro de 2017

Discutindo estratégias para a consolidação da coleta seletiva solidária em Belo Horizonte.


Sonho com um tempo onde praticar a educação ambiental seja um ato cotidiano de cada cidadão, traduzido em hábitos responsáveis. Asim, almejo viver em uma cidade onde os resíduos sólidos e orgânicos recebam da sociedade civil e do poder público, o devido tratamento. Digo, tratamento incluindo aspectos responsáveis do consumo, descarte e destinação. 
É necessário que os problemas oriundos do grande volume de resíduos produzidos e coletados em nossa cidade passem pela análise crítica de diferentes instâncias da sociedade. Eu, como educadora e agente ambiental não poderia estar fora de um evento onde assuntos relacionados ao programa de coleta seletiva de BH, desde seu surgimento até as perspectivas de aprimoramento do serviço, fossem o tema principal.


Na última terça-feira (5), das 14h às 17h, participei do seminário “Estratégias para a consolidação da coleta seletiva solidária e inclusiva em Belo Horizonte” que aconteceu no Auditório Juscelino Kubitschek, na sede da PBH.
Ponto comum das mesas de exposição e do debate, o Seminário apontou para a necessidade da convergência integradora de ações e esforços que potencializem a reciclagem e valorização dos catadores na capital. 
Um dos temas de destaque foi o trabalho de mobilização social, educação e cultura, desenvolvido para a disseminação e ampliação desse tipo de coleta que, segundo o relatório de atividades  anual da SLU,  em 2016 registrou como coletados 7.282 toneladas de recicláveis, o que corresponde apenas a 1,08% dos resíduos domiciliares coletados naquele ano.

Mesas formadas pelo poder público e sociedade civil discutiram as perspectivas e planejamento da coleta seletiva solidária com início em 2018 , onde a grande diferença se dará pela participação direta e efetiva das cooperativas de coletores de resíduo sólidos. Cabe lembrar que trabalho desenvolvido pelas redes de triagem de material reciclável de Belo Horizonte que atuam na coleta seletiva solidária do município é uma parceria inédita no país. 

Atualmente a Coopesol Leste já realiza ações nos bairros Floresta e Colégio Batista. A gestão e a operação do serviço são feitas pela própria associação, que trabalha, ao mesmo tempo, no recolhimento e na triagem dos recicláveis, usando um caminhão cedido pelo município. A expectativa é que essa experiência seja ampliada, a partir do próximo ano, para outras regiões da cidade . 

Entre outros painéis, foi apresentado o trabalho da SLU na área de sensibilização e educação ambiental durante a implantação da coleta seletiva solidária em uma rede de escolas, enfatizando assim a importância da mobilização e educação no processo. Os participantes do seminário ainda conheceram as iniciativas exitosas no campo da arte que servem de incentivo no engajamento para a correta destinação dos materiais recicláveis.

O evento, realizado pelo Fórum Lixo e Cidadania de BH/ PBH e SLU, contou com a presença de cidadãos belo-horizontinos interessados nas temáticas socioambientais e de gestão de resíduos, catadores de materiais recicláveis, técnicos da Superintendência de Limpeza Urbana (SLU), integrantes do Observatório da Reciclagem Inclusiva e Solidária (ORIS) entre outros.

8 de dezembro de 2017

APRENDENDO SOBRE APROVEITAMENTO INTEGRAL DE ALIMENTOS.

Buffet produzido durante o curso de aproveitamento integral de alimentos.

Segundo a World Resources Institute (WRI), o Brasil está entre os dez países que mais perdem e desperdiçam alimentos no mundo. E isto se dá em uma cadeia que compreende a colheita, a pós-colheita, a distribuição e o desperdício que já vem no final da cadeia, que é no varejo, no supermercado e com o hábito do consumidor. Essa perda e desperdício de alimentos tem diversas implicações. Uma delas é com relação à segurança alimentar. Hoje somos aproximadamente 7 bilhões de pessoas no planeta e a estimativa é que, em 2050, seremos 9 bilhões. Enquanto isso, aproximadamente 1 bilhão de pessoas não tem acesso adequado e sofre com desnutrição e falta de alimento adequado. Então, como aceitar a perda e o desperdício de alimentos?
Se somos convocados ao enfrentamento desta questão, devemos começar por alterar nossos hábitos e nos preparando para mudanças tão necessárias e urgentes.

APROVEITAMENTO INTEGRAL DE ALIMENTOS

Eu preparando um prato, surpervisonada pela competente Nidete Santos.
Nesta semana, tive oportunidade de participar de um excelente curso promovido pelo SESC MG dentro do Programa Mesa Brasil. 
Foi uma grande oportunidade de buscar informações que me instrumentalizam para agir atendendo o primeiro desafio dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável
O curso "Aproveitamento integral de alimentos" nos trouxe a prática de como evitar, ao máximo, o desperdício e agir contribuindo para a alteração do posicionamento do Brasil no ranking dos países que mais desperdiçam e perdem alimentos no mundo.
O voluntariado sustentável, ligado à rede de entidades assistidas pelo programa Mesa Brasil e ao lado do  qual estive neste evento, está no enfrentamento efetivo e busca por esta alteração.

Além de muitas informações sobre manipulação, conservação, armazenagem e uso integral de hortaliças e outros vegetais, a parte prática nos oportunizou experimentar diferentes receitas preparadas durante todo o dia.

Cardápio
Tivemos um delicioso almoço e um lanche da tarde cheio de surpresas para o paladar. O cardápio incluiu  bolinho integral com sobras de arroz e talos de couve  e temperos variados que trouxeram textura e muito sabor. Tivemos também uma grata surpresa ao provar o bife à milanesa de casca de banana, Podem acreditar: é mesmo muito gostoso. O menu também foi composto por Pizza com recheio de sobras de legumes e talos de hortaliça, empadão com sobra de arroz e legumes, esfiha de carne e recheio de sobras de proteínas, macarrão remontado ao forno com legumes, ovos e .manjericão, patê de berinjela e talos,  suco de casa de abacaxi, e  geleia de abacaxi e também de banana, laranja e tomate.
Foi incrível ver tantas delícias preparadas e nada, absolutamente nada ir para o lixo. Uma experiência a se compartilhar e adotar para o dia a dia.

APRECIEM NOSSO MENU


O COMBATE À FOME E OS DESAFIOS DO MILÊNIO
No ano de 2000, as Nações Unidas, através da Assembléia do Milênio, promoveu a reunião de chefes de Estado e de governo de maior magnitude jamais realizada e convidaram a sociedade civil e governos a olhar com atenção alguns desafios que o planeta enfrentava. 
O debate resultou na aprovação da Declaração do Milênio, que reconhece que o mundo já possui a tecnologia e o conhecimento para resolver a maioria dos problemas enfrentados pelos países pobres. No entanto, tais soluções não foram implementadas na escala necessária até 2015, ano proposto como prazo limite.

Sendo assim, a sociedade foi novamente convidada a se mobilizar para novos desafios a serem acompanhados nos próximos 15 anos. E Oito objetivos gerais foram identificados .
O primeiro dos 8 objetivos gerais identificados é: erradicar a extrema pobreza e a fome. 


Somos todos convidados a olhar para as novas metas e verificar de que maneira cada um pode contribuir e participar.  O que você tem feito no contexto desses desafios?

25 de novembro de 2017

Com palavras e muito amor, hoje ensinamos a importância da sustentabilidade.


A manhã deste sábado foi ainda mais iluminada por eu poder estar ao lado do grupo Amor em Palavras em uma linda ação realizada na "Casa das Meninas", um lar de acolhimento mantido pela associação Irmão Sol, no bairro Paraíso, em Belo Horizonte. Nossa acolhida foi com abraços e sorrisos e expectativa pelas surpresas guardadas para este dia de mais uma ação sócio ambiental.
A ação teve início com uma esquete apresentada pelos jovens voluntários, abordando e dando ênfase aos princípios e importância da coleta seletiva. Com humor e linguagem apropriada, despertaram as crianças para as questões da sustentabilidade e como as ações para com o meio ambiente devem começar com o cuidado que dedicamos ao espaço em que vivemos.

O número teatral aconteceu no lindo quintal da Casa das Meninas.
Seguindo o roteiro programado para as duas horas de atividades, reunimos as crianças na varanda da casa e concluímos esta primeira parte com uma reflexão sobre o que aprendemos com o roteiro encenado.

Logo em seguida, foi a hora de inciar a oficina de supraciclagem com a Maria Reciclona. Várias embalagens plásticas de alvejantes foram recolhidas e levadas com a promessa de que transformaríamos junto com as meninas em uma linda surpresa. E foi bem assim... cada uma das meninas contou com o apoio de um dos voluntários para uso das ferramentas cortantes. 
E, muito curiosas, elas foram seguindo o passo a passo, tentando descobrir o que resultaria daqueles materiais recicláveis. E ao final da oficina, lindas bolsinhas surgiram.


Cada uma pode customizar e dar um toque todo pessoal à sua criação, com adesivos e apliques coloridos.

Um modelito para desfilar no lindo jardim da casa que as acolhe com ensinamentos e sentimentos traduzidos nas plaquinhas dispostas na varanda: família, solidariedade,  felicidade, simpatia e união.

Palavras que trouxemos conosco e em nossos corações para continuar a caminhada, compartilhando "Amor em Palavras".

Sobre o Grupo Amor em Palavras
Um Grupo de amigos que se uniu para encontrar uma forma de levar alegria para as pessoas em situação de risco social, através de um trabalho voluntário. 
Além disso, o projeto leva diversos benefícios ao público alvo já que incentiva a leitura e estimula a imaginação, auxiliando no desenvolvimento intelectual e emocional das crianças e adolescentes atendidos.
O nome “Amor em palavras” foi criado levando em consideração a mensagem que gostariam de transmitir com o projeto. Afinal, contar histórias é dar um pouquinho de amor através das palavras.


Uma pose cheia de alegria, ao término da atividade, junto com o Grupo Amor em Palavras.

21 de novembro de 2017

Cebrac BH promove feira de empreendedorismo com destaque para a sustentabilidade nos novos negócios.


Os desafios da sustentabilidade em novos negócios e as tendências de um novo perfil consumidor foram encarados de frente por 16 empresas experimentais desenvolvidas pelos alunos do Cebrac BH,  que se apresentaram durante a FNE - Feira Nacional de Empreendedorismo realizada no último sábado, em Belo Horizonte.


Durante a feira, os novos empreendedores tiveram a oportunidade de colocar em prática todo o conhecimento apreendido em sala de aula. O resultado apresentado ao público foi a síntese de meses de trabalho, sob orientação e supervisão dos professores. 
Além da escolha do setor e segmento do negócio, os alunos ainda encararam outras e importantes etapas.  Entre elas, a criação do plano de negócios, a busca por diferenciais e novas estratégias de mercado, estudo da concorrência, da viabilidade econômica e legislações específicas, além de uma etapa muito importante nos negócios atuais: a escolha das ações sustentáveis aplicáveis à produção, logística, comercialização e consumo dos diferentes serviços e produtos.


Em um tour pelos stands, detectamos em todas as empresas a preocupação com os princípios da sustentabilidade. Empresas do ramo alimentício como a "Gostinho de Minas", "Senhoritas Pipocas", "Ladies Donuts", " Ice Truck Panda", "Rapttex Fast Food" e a "Trouxeria", campeã desta edição, adotaram em suas rotinas a utilização de copos, pratos, talheres e EPIs de materiais biodegradáveis, produzidos com material orgânico como amido de mandioca ou de madeira de reflorestamento, produtos com produção orgânica, além de práticas de consumo consciente dos recursos hídricos e descarte correto de óleos vegetais através de parcerias com empresas especializadas nesta ação.


A aposta das empresas do segmento da moda e vestuário, presentes na feira, recaiu também sobre a sustentabilidade da matéria prima. Foi o caso da "Impervius" que trouxe uma linha de mochilas para diferentes públicos ou a "Eco Geek" que lançou uma linha de camisetas com estampas exclusivas,  ambos  os produtos produzidos com tecido de fibra pet, resultante da reciclagem de milhares de embalagens deste material.  A "Interprise Sandals" trouxe chinelos fabricados com carpete de fibra produzida com reutilização da fibra de coco e vendeu todo o conforto e beleza que este material sustentável pode oferecer.



O segmento de serviços apresentados na FNE buscou atender diferentes demandas, detectando as necessidades do estilo de vida atual. Aplicativos como "Go Shopping" favorece a necessidade da prática do consumo consciente. Além da busca por ofertas,  criação de listas personalizadas, cálculo do consumo ele ainda enfatiza a logística reversa, buscando por rotas de reciclagem para o descarte consciente das embalagens dos produtos consumidos.

Seguindo esta tendência, a "Happy Festas" investiu na produção de eventos sustentáveis, incluindo todos os itens da organização. Para tanto, aposta na criatividade e adota a supraciclagem na produção dos itens decorativos.



Já a "Essenza" apresentou uma linha de aromatizantes à granel, em um empório onde o consumidor combina aromas, de acordo com sua preferência e ainda utiliza embalagens no formato refil, eliminando o descarte de novas embalagens. 







Atuando no segmento de cuidados físicos e pessoais se apresentou a empresa "In Power", academia totalmente adaptada para atender também pessoas com necessidades especiais de mobilidade, percepção visual ou outras demandas. Acreditando na inclusão como um dos princípios do desenvolvimento sustentável  empresa aposta em um segmento carente de espaços adaptados para as praticas esportivas  Assim como a "Up Grade" que voltada para o ramos dos cuidados estéticos também busca adotar fornecedores com selo verde, além do descarte consciente de embalagens de produtos utilizados e reuso de água nos processos cotidianos.


"Livrotech" colocou a preocupação com o desmatamento para produção de celulose à frente do seu desafio como empresa e foi para a feira com uma nova proposta. De olho na expansão do mercado editorial, ela buscou unir tecnologia e amor ao livro promovendo além da venda, também a troca de livros físicos e a promoção das publicações no formato digital sempre atrelada a um programa de replantio de árvores.


Para interligar investidores e novos empreendedores, a empresa "Next Startup" criou uma plataforma que administra cada etapa destes processos e ainda propõe soluções e práticas sócio ambientais aos novos negócios, projetando-os para as novas tendências globais sustentáveis.

Ao lado dos alunos Jonathan e Matheus, empreendedores da empresa Next, vice campeã desta edição e à qual o Núcleo Maria Reciclona representou como parceira no segmento sustentável.

Foi um dia especial dentro do calendário acadêmico do Cebrac BH, empresa parceira do Maria Reciclona - Núcleo de ações para sustentabilidade, e onde temos podido atuar e contribuir para a prática pedagógica que inclui a sustentabilidade e o empreendedorismo social como pilares educacionais.

Eu, representando o bem sucedido projeto Ecocebrac e comemorando o sucesso da FNE 2017, ao lado  de Mauri Crema , Gestor do Cebrac Belo Horizonte.


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...